contato@taroando.com.br

BRUXARIA É LEGAL, MAS O JOVEM MÍSTICO PRECISA DE LIMITES

Oráculos diversos

Ser bruxa ou bruxo virou cool e agora todo mundo é ou quer ser. Parece que é legal falar de espiritualidade livremente, misturar várias crenças, invocar energias dos deuses, falar de paganismo, participar de um coven, queimar incensos e colecionar cristais (que geralmente são provenientes de trabalho escravo e destruição ambiental). 

A parte bonitinha, zen, good vibes é o que sobressai, mas nem sempre é assim. Isso é reduzir a espiritualidade e desrespeitar o sagrado, que não deve ser colocado em caixinhas e também não faz só o que a gente quer, por mais que nossa intenção seja boa. 

Pipocam cursos de tarô para ler em três meses de estudo, sendo que muita gente tá há anos na jornada. Muitas demoram uma década pra compreender um arcano na sua totalidade, tal a complexidade das cartas. Centenas de jovens místicos tiram cartas e interpretam errado no TikTok todos os dias, reforçando o velho preconceito em torno da figura dos cartomantes. 

Brotam cursos de bruxaria natural que só ensinam a mexer com plantinhas e cristais – é legal e útil, inclusive eu mesma faria para utilizar mais as propriedades naturais das plantas. A gente sente informar, mas bruxaria e espiritualidade não se resumem a isso. Muitas vezes as pessoas esquecem do respeito às religiões, às entidades e não levam a sério mexer com energias. Invocam uma divindade cuja energia não conseguem sustentar porque acreditam que ela só trará o bem – esquecendo que muitas vezes ela possui uma face terrível, de sombras, que pode trazer processos pesadíssimos para quem estiver no círculo. Não é à toa que existem milhares de memes falando dos jovens místicos tóxicos e fúteis. 

Precisamos ter sempre em mente que um ritual tem consequências. Por isso se repete tanto em magia que tudo é intenção, muito mais do que fórmulas prontas. Afinal, se as fórmulas forem aplicadas de qualquer jeito e sem consciência, danou-se. 

Uma vez participei de um ritual de limpeza de uma terapeuta bruxona que eu conhecia, mas fiquei cabreira que era num eclipse. Apesar do pé atrás, eu já estava ali mesmo e continuei. O resultado pra mim foi uma crise renal horrorosa na semana seguinte. Eu tive exatamente o que eu pedi e foi intencionado: limpeza. Hoje, além de escolher com mais cuidado, tento delimitar melhor as intenções.

Resolvi trazer para o Taroando trechos de um artigo traduzido para reflexão sobre este assunto. O original você pode ler aqui neste medium Witchcraft Isn’t ‘Safe’ - What You Don’t Believe In Can Hurt You.

A reflexão vale pra você, pra mim, pros seus colegas, pro seu coven, pra todo mundo. Sabemos que existem pessoas sérias e também queremos fazer nosso trabalho com a maior seriedade possível. Por isso, fica o recado. 

BRUXARIA NÃO É ALGO SEGURO: AQUILO QUE VOCÊ NÃO ACREDITA PODE TE MACHUCAR

“Paganismo pra mim não é sobre ‘arquétipos humanos’. Não é apenas mitologia vestida de religião superficial. Eu vi muita coisa e estive em muitas situações para simplesmente atribuir a espiritualidade ou bruxaria uma forma de placebo psicológico.  (...)

A bruxaria é uma fileira de pêndulos que balançam no que se refere a sistemas de crenças. Cresci durante o “Pânico Satânico” dos anos 80 e meus pais, abusivos e fundamentalistas-cristãos, desconfiavam de tudo, desde o estilo dos jogos de tabuleiro do D&D até a logo da caixa de detergente. Tudo era o Diabo nos tentando. As tradições de povos antigos sofreram o peso do espancamento devido a práticas que eram verdadeiramente ‘pagãs’ no sentido do dicionário do termo e, portanto, ameaçavam o status quo. O filme ‘A Maldição dos Mortos-Vivos’ causou tanto fervor na época que foi banido dos cinemas no meu estado.

Agora, o pêndulo oscila para o lado contrário.

Bruxaria está em alta, é cool e está sendo inserida em tudo: da tv à moda. Pessoas usam pentagramas sem nem saber o que significa, carregam decks de tarô que não sabem como interpretar, fazem altares com várias porcarias industrializadas que têm a mesma energia mágica de um clipe de papel. Para essas pessoas, bruxaria é legal, mas não é real. 

Você só precisa ter uma atitude positiva e acreditar que nada fará mal a você e voilà! Nada lhe faz mal. Ao mesmo tempo que agora é considerado rude atacar religiões antigas, o cheiro da hipocrisia colonialista ainda está no ar. Perdi as contas de quantas vezes escutei a multidão neo-pagã dizendo que voodoo/hoodoo/trabalho ‘não funciona a menos que a vítima acredite neles’, junto com comentários depreciativos sobre o sacrifício de animais. Hoje em dia, os Poderes Constituídos (PCs) são considerados meros arquétipos, exemplos da condição humana contados em mitologias. É uma forma de psicologia pop, que eu suspeito estar baseada no mal entendido do que ‘os mundos de dentro’ realmente significam quando se referem a trabalho mágico. Não quer dizer ‘teatro mental’ ou ‘imaginação ativa’, mas esse parece ter se tornado um entendimento popular. 

Nunca entendi bruxaria sem espíritos. É como retirar as pilhas de uma lanterna e esperar que ela funcione. Além disso, é perigoso. Tudo relativo a magia e trabalho espiritual é potencialmente perigoso — e apenas fingir que os espíritos não estão lá significa que há uma geração inteira de pagãos por aí que está brincando com a espiritualidade sem perceber que estão atraindo atenção, e Alguém provavelmente está assistindo.

O problema com um grupo de bruxas que acredita que não pode ser atingida por entidades ou espíritos é que, quando as entidades aparecem, as pessoas não sabem lidar com elas. Frequentei um coven que parecia ser mais do que exercício de espiritualidade pelo fator sentir-se bem de fazer algo novo e diferente. Um sabbath em particular não acabou bem. Os sacerdotes neo-pagãos citaram uma lista de espíritos porque ‘desejavam o que os arquétipos simbolizavam’. Um destes ‘arquétipos’ era Oyá (Iansã), uma deidade que me rege. Estou muito ciente da experiência que essa Orixá dos tornados e furacões é capaz de proporcionar. Quando o círculo decidiu ‘invocar a energia de Oyá’, tentei dizer que não seria uma boa ideia pois eles claramente não tinham ideia de quem era Oyá. 

‘Ah, mas estamos apenas invocando a energia, a deusa dentro de nós’, me disseram em tom condescendente, como se minha principal objeção fosse que a energia do caos era assustadora. Suspirei baixinho enquanto o homem branco que liderava o clã de bruxas explicava meu Orixá para mim, falando de minha cultura e religião em termos de amor e luz, lendo trechos de uma publicação neo-wicca popular na época. ‘Que assim seja’, Oyá murmurou para mim. ‘Eles querem que eu vá, eu vou. Deixe-me participar.’

Instantes depois de o coven invocar a energia, Oyá estava no local. Eu sei que quando ela é muito feroz, para mim raramente é agradável; o ar parecia pesado, a costumeira enxaqueca se alojou atrás das órbitas dos meus olhos como um prego. Estou acostumada, lido com esse tipo de coisa toda a vida. O coven? Nem um pouco. O pânico estava instalado. Nunca vi tanta gente se borrar, gritando e jogando sal, quebrando o círculo e correndo para a porta, alguns esqueceram que eram pagãos e rezaram a Ave Maria. Eventualmente fui a única que ficou no círculo. 

Mas não foi só porque o círculo se quebrou e todos foram embora que isso parou aí. O que Oyá faz bem é o caos e a mudança na vida das pessoas. Normalmente é para melhor, mas com certeza é um pesadelo até que as coisas se acalmem. A vida dos membros do coven foi uma bagunça por meses depois; demissões de emprego, confissões forçadas de homossexualidade, rompimentos de casamentos. Eu tenho a reputação de ser uma má influência, minha 'energia negativa' foi atribuída aos infortúnios do coven, e eu fui colocada na lista de excluídos desse lugar. Que essas pessoas receberam exatamente o que pediram foi ignorado.

(...) Há uma linha tênue entre ser cauteloso e paranoico, cuidadoso e medroso, quando se trata de espiritualidade. Para fazer este Trabalho, é preciso encontrar um equilíbrio entre se preocupar com tudo como um espírito potencialmente mau e pensar que nada de ruim pode acontecer. É útil ter alguém que possa lhe dar uma “verificação da realidade” de tempos em tempos para ter certeza de que você não está pulando nas sombras e pensando que está sendo atacado a cada turno. Eu encorajo isso para todos que trabalham no Mundo da Espiritualidade; tenha um colega bruxo que possa ser consultado sempre que precisar de um ponto de vista mais objetivo ou uma segunda opinião.

Mas, embora a doença mental possa ser um fator de atribuição de ouvir vozes e ter visões, nem sempre é a razão pela qual alguém experimenta assombrações, possessões, ataques espirituais ou assédios, e descartar essas manifestações é perigoso.

Assim como existem espíritos benevolentes por aí, existem aqueles que se agarram como parasitas e se alimentam – sempre exigindo mais devoção, mais energia, mais tempo. Por que os espíritos fazem esse tipo de coisa? Talvez para se alimentar de sua energia, talvez para fortalecer sua própria base de práxis para se alimentar. Talvez eles apenas pensem que a ignorância humana é divertida. Eu não faço ideia. Só sei que alguns espíritos fazem isso, e há pessoas por aí que deixam isso acontecer porque aprenderam que os espíritos são sempre gentis, gentis, honestos e compassivos. Ou, eles acreditam que os espíritos não existem.

Conheci algumas pessoas perseguidas por demônios (...). O assédio assumiu muitas formas: pesadelos recorrentes, doenças e hematomas inexplicáveis, vozes gritando que os mantinham acordados por dias a fio, pessoas emocionalmente e mentalmente esgotadas com olheiras sob os olhos, totalmente exaustas como se esses espíritos retirassem deles um pedacinho de cada vez. Cada um deles me disse que tentou buscar ajuda através de pagãos ou bruxas, e todas as vezes me disseram que estava tudo em suas cabeças. Eles não receberam nenhum apoio da multidão de amor e luz além de murmúrios de doenças mentais, números de telefones de apoio 24h  e palestras condescendentes sobre como os espíritos não existem realmente.

Essas pessoas precisavam de ajuda experiente; ajuda que lhes foi negada porque a encarnação moderna da feitiçaria não acredita que existam coisas ruins no universo. Ajuda que eles não receberam porque as bruxas modernas acham que jogar um pouco de sal banirá todos os espíritos instantaneamente. Ajuda que eles não receberam porque os pagãos acham que todos os PCs são ‘arquétipos’ e, portanto, não podem prejudicá-los.

(...) Autoconfiança, discernimento, pensamento crítico, um bom sistema de verificação da realidade e algumas práticas de limpeza para se livrar de qualquer parasita espiritual em uma base regular geralmente é tudo o que alguém precisa fazer. (...)

Se a prática pagã é uma forma de ioga e introspecção para você, e você não invoca espíritos ou Poderes Constituídos, então é justo. Nem todo mundo precisa ser uma sacerdotisa ou um espírito incomodado. 

Mas só porque você não reconhece espíritos e Poderes Constituídos como sendo reais, não significa que eles não existam, ou que eles o deixarão em paz. Em nossa pressa de tentar nos enfiar em um caminho espiritual, não podemos simplesmente apagar os pedaços que nos deixam desconfortáveis ​​e esperar que assim permaneçam, e isso inclui acreditar em coisas que não podemos ver. Os espíritos não precisam que você acredite neles para estragar seu mundo se quiserem.

 

Não existe tal coisa como 'seguro'. Quanto mais cedo todos nos lembrarmos disso, melhor.”

 

Jéssica Trombini


Jéssica se lançou na jornada do tarô, após algumas amigas bruxas a convidarem para um grupo de estudos. Era o chamado que faltava para que o tarô estivesse completamente presente na sua vida. Resolveu abrir isso para o mundo em 2020, quando mais do que nunca as pessoas precisam de uma orientação e buscam autoconhecimento.Instagram: @tarolistica


 Faça uma consulta com a Jéssica!

Comentários


(0) Comentários...